sábado, 7 de dezembro de 2013

Maravilhas

Mirabilis jalapa




O nome desta flor é Maravilha (Mirabilis jalapa) em inglês chama-se Four-o’clock flower. O nome científico Mirabilis quer dizer Maravilhoso, em latim, e Jalapa é uma região do México onde foi descrita pela primeira vez pela ciência.Apesar de ter sido descrita pela primeira vez no México não há certeza de onde realmente ela é originária. Existe a suposição de que foi encontrada pelos europeus em zonas próximas aos Andes, no século XVI e daí levada para a Península Ibérica, onde foi introduzida como planta ornamental e medicinal. Mas considerando suas características supõe-se que seja nativa de zonas tropicais da América do Sul, Central e México.
Existem cerca de 50 espécies diferentes, todas elas presentes nas áreas de clima mais quente da América. Como se adaptou bem ao clima temperado também pode ser encontrada em zonas abrangidas por este clima.
A Maravilha é uma planta herbácea, que tem uma altura média de 70 cm, mas pode chegar aos 1,20m. Tem um ciclo de vida perene, mas em áreas de clima temperado pode comportar-se como planta anual, já que com as geadas fortes ou baixa humidade pode morrer. São comuns em áreas próximas ao mar, ou em áreas com influência marítima, por serem resistentes à salinidade.
Possui raízes tuberosas que facilitam a sua sobrevivência durante os meses mais secos e frios. Tem um caule ramificado e ereto. As folhas são simples, afinadas na ponta, opostas, em tons de verde claro a escuro ou avermelhadas. A folhagem é densa dando um aspecto agradável à planta mesmo quando não está florida. Podem ter até 13 cm de comprimento e 8 cm de largura.
A floração ocorre na Primavera e Verão, podendo aparecer flores esporádicas, em menor quantidade no Outono e Inverno. As cores da Maravilha justificam o seu nome. As cores básicas de suas flores são o vermelho e branco, mas podem produzir flores das mais variadas tonalidades desde rosa, amarelo e laranja. As flores podem apresentar diferentes combinações de cores, existindo flores de três cores diferentes que se apresentam em riscas, pintas ou manchas irregulares. As flores têm a forma de uma trombeta coroada por cinco pétalas, podendo ser perfumadas e surgir  solitárias ou em grupos. Só se abrem ao final do dia, embora nos dias nublados também dão o ar da sua graça durante o dia. Atraem insectos nocturnos, responsáveis pela sua polinização.
As sementes são ovais e têm entre 6 e 8 mm. São enrugadas e apresentam uma cor verde amarelada quando em crescimento, tornando-se totalmente negras quando maduras.
Numa mesma planta podem nascer flores de diferentes cores ou mistura de cores. Uma mesma planta pode num período de sua vida dar flores amarelas e com o passar do tempo começar a produzir flores rosas, ou brancas que depois passam a ser rosa claro. Foi estudada por Carl Correns, que a utilizou como exemplo num estudo sobre a herança extra-nuclear, estudo esse que mostra que pode existir um indivíduo sem predominância genética de um dos indivíduos dos quais teve origem. Estes e outros estudos resultaram no redescobrimento das Leis de Mendel.
O seu uso como planta ornamental é muito difundido, sendo utilizada na formação de maciços, conjuntos e bordaduras. Pode também ser plantada em vasos, mas tende a ter uma altura inferior do que uma que está semeada directamente no solo. Devido à sua rusticidade é de fácil cultivo, podendo, caso haja algum descuido, tornar-se infestante, pela facilidade com que volta a ser selvagem. Por ser resistente à salinidade é uma planta ideal para jardins próximos das praias.
O seu clico de vida é perene mas em regiões onde o Inverno é mais severo tende a morrer com as geadas, sendo cultivadas como plantas anuais. Em locais de Inverno mais rigoroso podem ser arrancadas no Outono, semeando novas sementes para o ano seguinte. Em áreas de clima mais quente uma planta pode durar anos sem qualquer problema. Climas onde o Verão é extremamente seco a planta também podem morrer devido ao calor intenso e baixa humidade do ar. O seu cultivo deve ser em pleno sol, apesar de se adaptar bem à meia-sombra. Sob sol pleno tendem a ter um maior porte e floração mais intensa. O solo precisa ser fértil, rico em matéria orgânica e com boa drenagem. Quanto à adubação deve ser feita uma vez por mês na Primavera e Verão, com adubo rico em potássio.
A reprodução desta planta é muito fácil. Pode-se fazê-la através das sementes que são abundantes ou pela separação das suas raízes. A sementeira deve ser feita em fins do Inverno e princípios da Primavera, podendo atirar-se as sementes sobre a terra ou em covas rasas. Porém, para apressar a germinação, as sementes devem ser postas de molho durante 12 horas antes da sementeira.
Nos meses quentes mais chuvosos pode sofrer a infestação de fungos que costumam ser facilmente eliminados com um fungicida. Mas só deve ser usado antes do início da floração. Ácaros, pulgões e outras pragas podem atacá-la, sendo necessária a utilização de inseticida de forma preventiva para evitar uma infestação, quando a planta ainda não tenha flores.

1 comentário:

  1. Olá amigo, gosto sempre de visitar blogs de plantas e não é que aqui encontro um post sobre uma planta que também tenho no meu blog - a Mirabilis? Visite e veja, postei há bem pouco tempo um texto. Somos tão poucos que é sempre bom encontrar alguém que goste de plantas como eu e dedica algum tempo a divulgar o que sabe. Obrigada e voltarei. Visite-me em www.bolotasguardadas.blogspot.com

    ResponderEliminar